REVISTA DE HUMANIDADES Y CIENCIAS SOCIALES

El CNJ y la igualdad de género en la magistratura

formulando una propuesta diversa a la luz de los precedentes europeos.

Autores/as

  • Francisco Fernandez Gonzalez Junior PUC/SP

DOI:

https://doi.org/10.58210/inclu3521

Palabras clave:

Promoción de juezas, 2º grado de jurisdicción, cuestiones de género, raza y discapacidad en términos amplios, igualdad, multidimensionalidad de las opresiones

Resumen

Este artículo aborda la cuestión de la igualdad de género en la ocupación de cargos por mujeres en el 2º grado de jurisdicción en el Poder Judicial brasileño y el desarrollo de acciones afirmativas para mitigar las asimetrías de género en el juicio emitido por el Consejo Nacional de Justicia (CNJ) en el acto normativo 0005605-48. 2023.2.00.0000, que dio lugar a la Resolución 525/23 del CNJ y estableció la creación de una lista mixta (con hombres y mujeres) y una lista única (sólo con mujeres) para el criterio de mérito en los ascensos al cargo de juez en los tribunales con subrepresentación de género. Partiendo de los precedentes del Tribunal de Justicia de la Unión Europea, el artículo pretende presentar una visión divergente de la presentada en la citada sentencia, en el sentido de aplicar la teoría de la interseccionalidad y la multidimensionalidad de las opresiones a la cuestión para ampliar la política a las personas que tienen problemas personales con múltiples aspectos de vulnerabilidad. El objetivo de este trabajo es ampliar el debate, considerando que las políticas que abordan las cuestiones de género junto con otros marcadores sociales, como el étnico-racial y el de las personas con discapacidad, son fundamentales para avanzar hacia un progreso civilizatorio colectivo y comunitario.

Citas

BONAVIDES, Paulo. Curso de direito constitucional. 11a ed. São Paulo: Malheiros, 2001.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional. 5.ed. Coimbra: Almedina, 2013.

CRENSHAW, Kimberlè (1989). Demarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory, and antiracist politics. Disponível em: https://chicagounbound.uchicago.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1052&context=uclf. Acesso em: 19 fev. 2023.

COLLINS, Patricia Hill; BILGE, Sirma. Intersectionality. Cambridge, UK: Polity Press, 2016, p. 2.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Direitos humanos e cidadania. 2. ed. São Paulo: Moderna, p. 50.

DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de direito do trabalho. 18. ed. rev. ampl. São Paulo: LTr, 2019.

FERRAJOLI, Luigi. Derechos y garantías. La leydelmás débil. Tradução de Perfecto Andrés Ibáñez y Andrea Greppi. 7ª edição. Madrid: Editorial Trotta, 2010, p.30.

FRASER, Nancy. Reconhecimento sem ética. Editora Lua Nova, São Paulo, 70: 101-138, 2007.

FREDMAN, Sandra (2016). Intersectional Discrimination in Eu gender equality and non-discrimination law. Brussels: Directorate Justice and Consumers. Disponível em: https://op.europa.eu/en/publication-detail/-/publication/d73a9221-b7c3-40f6-8414-8a48a2157a2f/language-en. Acesso em: 25 set. 2023.

HOBBES, Thomas. Leviatã ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. Trad. Eleonora Magalhães de Gusmão. Rio de Janeiro: Livraria Quaresma, 1945 (ebook ).

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Filosofia do direito. Trad. Paulo Meneses...[et al .]. São Leopoldo: Unisinos, 2010, p. 80.

HOBSBAWM, Eric J. A era das revoluções. Trad. Sieni Maria Campos e Yolanda Steidel de Toledo. 7a edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

HUTCHINSON, Darren Lenard. Identity Crisis: Intersectionality," "Multidimensionality," and the Development of an Adequate Theory of Subordination. Disponível em: https://repository.law.umich.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1198&context=mjrl. Acesso em 20 out. 2023.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Filosofia do direito. Trad. Paulo Meneses...[et al .]. São Leopoldo: Unisinos, 2010, p. 80.

MOREIRA, Adilson José (2017). O que é discriminação? Belo Horizonte: Letramento: Casa do Direito: Justificando.

SARMENTO, Daniel. Dignidade da pessoa humana conteúdo, trajetórias e metodologia. Belo Horizonte: Fórum, 2016, p. 104.

SANTOS, Boaventura de Sousa (2003, p. 59). Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitanismo multicultural. Introdução: para ampliar o cânone do reconhecimento, da diferença e da igualdade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. 2004. 4.ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1988. 2006. 4.ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado.

SARLET, Ingo Wolfgang. Comentário ao artigo 1º, III. In : CANOTILHO, J.J. Gomes; MENDES, Gilmar F.; SARLET, Ingo W.; STRECK, Lenio L. (coord.). Comentários à Constituição do Brasil. 2.ed. São Paulo: Saraiva/Almedina, 2018, p.127.

SEN, Amartya. Desigualdade reexaminada. Trad. Ricardo Doninelli Mendes. Rio de Janeiro: Record, 2001, p. 79.

SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo, 27.ed. São Paulo: Malheiros, 2006.

STRECK, Lenio Streck e MORAIS, José Luis Bolzan. Comentário ao artigo 3o. In: CANOTILHO, J.J. Gomes; MENDES, Gilmar F.; SARLET, Ingo W.; STRECK Lenio L. (Coords.). Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva: Almedina, 2013. p. 149- 154.

VALDES, Francisco. Beyond Sexual Orientation in Queer Legal Theory: Majoritarianism, Multidimensionality, and Responsibility in Social Justice Scholarship.1998. Disponível em: https://digitalcommons.du.edu/dlr/vol75/iss4/13/. Acesso em: 05 de julho de 2023.

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação do direito das mulheres. São Paulo: Boitempo/Iskra, 2016 (ebook), s/p.

DOCUMENTOS OFICIAIS

ALEMANHA. Constituição Alemã de Weimar (1919). Disponível em: https://digital.library.cornell.edu/catalog/nur01840. Acesso em: 05 jun. 2023.

ALEMANHA. Lei Hessiana sobre a igualdade de direitos entre mulheres e homens - Hessische Gesetz über die Gleichberechtigung von Frauen und Männern und zum Abbau von Diskriminierungen von Frauen in der öffentlichen Verwaltung. 1993. Disponível em: https://www.hof.uni-halle.de/daten/gleichstell_gesetze/HGlG_2011.pdf. Acesso em: 20 out. 2023.

ALEMANHA. Mulheres no setor público de Bremen – Landesgleichstellungsgesetz. 1990. Disponível em: https://www.transparenz.bremen.de/metainformationen/gesetz-zur-gleichstellung-von-frau-und-mann-im-oeffentlichen-dienst-des-landes-bremen-landesgleichstellungsgesetz-vom-20-november-1990-66648?asl=bremen203_tpgesetz.c.55340.de&template=20_gp_ifg_meta_detail_d. Acesso em: 20 out. 2023.

ALEMANHA. Mulheres no setor público de Bremen – Landesgleichstellungsgesetz. 2023. Disponível em: https://www.transparenz.bremen.de/metainformationen/gesetz-zur-gleichstellung-von-frau-und-mann-im-oeffentlichen-dienst-des-landes-bremen-landesgleichstellungsgesetz-vom-20-november-1990-191873?asl=bremen203_tpgesetz.c.55340.de&template=20_gp_ifg_meta_detail_d. Acesso em: 20 out. 2023.

BRASIL. Decreto 65.810/1969 – Promulga a Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as formas de discriminação racial. 1969. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1950-1969/D65810.html. Acesso em: 25 set. 2023.

BRASIL. Lei Orgânica da Magistratura Nacional - LC n. 35/1979. 1979. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp35.htm. Acesso em: 25 set. 2023.

BRASIL. Constituição da Republica Federativa, 05 de out. 1988. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 25 set. 2023.

BRASIL. Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. Aprovada pelo Decreto Legislativo n. 226, de 12 de dezembro de 1991, entrando em vigor, para o Brasil, em 24 de abril de 1992 e promulgada pelo Decreto n. 591, que entrou em vigor interno na data de sua publicação, em 7 de julho de 1992. 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/d0591.htm. Acesso em: 20 out. 2023.

BRASIL. Decreto no. 6.949/2009 – promulga a Convenção internacional sobre os direitos das pessoas com deficiência e seu protocolo facultativo. 2009. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp35.htm. Acesso em: 25 set. 2023.

BRASIL. Lei 12.288/2010 – Estatuto igualdade racial. 2010. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12288.htm Acesso em: 25 set. 2023.

BRASIL. Lei 13.146/2015 – Estatuto da pessoa com deficiência. 2015. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/554329/estatuto_da_pessoa_com_deficiencia_3ed.pdf. Acesso em: 25 set. 2023.

BRASIL. Decreto 10.932/2022 – Promulga a Convenção Interamericana contra o racismo, a discriminação racial e formas correlatas de intolerância, de 05 de junho de 2013. 2022. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2022/Decreto/D10932.htm Acesso em: 25 set. 2023.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Censo do Poder Judiciário – Vetores Iniciais e Dados Estatísticos. 2014. Disponível em: https://bibliotecadigital.cnj.jus.br/jspui/handle/123456789/74. Acesso em: 25 set. 2023.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Perfil Sociodemográfico dos Magistrados Brasileiros. 2018. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2019/09/a18da313c6fdcb6f364789672b64fcef_c948e694435a52768cbc00bda11979a3.pdf. Acesso em: 25 set. 2023.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Diagnóstico da participação feminina no Poder Judiciário. 2019. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2019/05/cae277dd017bb4d4457755febf5eed9f.pdf. Acesso em: 25 set. 2023.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Pesquisa: pessoas com deficiência no Poder Judiciário. 2021. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2021/10/pesquisa-pcd-no-pj-1.pdf. Acesso em: 25 set. 2023.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Participação feminina na magistratura. 2023a. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2023/03/relatorio-participacao-feminina-na-magistratura-v3-20-03-23-ficha-catalografica.pdf. Acesso em: 25 set. 2023.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Ato normativo - 0005605-48.2023.2.00.0000. 2023b. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/InfojurisI2/Jurisprudencia.seam?jurisprudenciaIdJuris=54645&indiceListaJurisprudencia=1&tipoPesquisa=LUCENE&firstResult=0. Acesso em: 25 set. 2023.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Resolução 525/23 do CNJ. 2023c. Disponível em: https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/5277. Acesso em: 25 set. 2023.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Diagnóstico Étnico-Racial no Poder Judiciário, de 2023. 2023d. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2023/09/diagnostico-etnico-racial-do-poder-judiciario.pdf. Acesso em: 25 set. 2023.

CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Diretiva 76/207/CEE. 1976. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legalcontent/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:31976L0207&from=PT. Acesso em: 05 maio 2023.

CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Diretiva 2000/43/CEE. 2000a. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:32000L0043. Acesso em: 05 maio 2023.

CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Diretiva 2000/78/CEE. 2000b. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:32000L0078. Acesso em: 05 maio 2023.

CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Diretiva 2006/54/CCE. 2006. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=CELEX%3A32006L0054&qid=1699745895158. Acesso em: 05 maio 2023.

CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Diretiva 2022/2381. 2022. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=CELEX%3A32022L2381&qid=1699747287984. Acesso em: 05 maio 2023.

CONVENÇÃO INTERAMERICANA para prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher - Convenção de Belém do Pará, 1994. 1994. Disponível em: https://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2013/03/convencaobelem1994.pdf. Acesso em: 05 maio 2023.

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO HOMEM E DO CIDADÃO. 1789. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/. Acesso em: 03 dez. 2022.

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA MULHER E DA CIDADÃ. 1971. Disponível em: https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/414/2018/10/DeclaraDirMulherCidada1791RecDidaPESSOALJNETO.pdf. Acesso em: 03 dez. 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico de 2010. 2010. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/3425#resultado. Acesso em: 25 set. 2023.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Características gerais dos moradores 2020-2021. 2021. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101957_informativo.pdf. Acesso em: 25 set. 2023.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERCANOS. Convenção Interamericana contra o Racismo, a Discriminação Racial e Formas Correlatas de Intolerância. 2013. Disponível em: https://www.oas.org/en/sla/dil/docs/inter_american_treaties_A-68_Convencao_Interamericana_racismo_POR.pdf. Acesso em: 25 set. 2023.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948a. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-universal-dosdireitos-humanos. Acesso em: 20 out. 2022.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Carta das Organização das Nações Unidas. 1948b. Disponível em: https://unric.org/pt/wpcontent/uploads/sites/9/2009/10/Carta-das-Na%C3%A7%C3%B5es-Unidas.pdf. Acesso em: 25 set. 2023.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial. 1965. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/convDiscrimina.pdf. Acesso em: 02 maio 2023.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração sobre a eliminação da discriminação contra a mulher. 1967. Disponível em: http://gddc.ministeriopublico.pt/sites/default/files/declaracaodiscriminacaomulheres.pdf. Acesso em: 25 set. 2023.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher. 19979. Disponível em:http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/instrumentos/discrimulher.htm. Acesso em: 01 nov. 2022.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher. 1995. Disponível em: https://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2013/03/convencao_cedaw1.pdf. Acesso em: 02 maio 2023.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher. 1999. Decreto n. 4.316, de 30 de julho de 2002, entrou em vigor em 28 de setembro de 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4316.htm. Acesso em: 05 jul.2023.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. 2015a. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/sdgs/5.Acesso em: 04 maio 2023.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Comitê sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência. 2015b. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cpd/arquivos/relatorio-do-comite-da-onu-sobre-os-direitos-das-pessoas-com-deficiencia-traduzido-em-portugues. Acesso em: 25 set. 2023.

PACTO INTERNACIONAL DOS DIREITOS ECONÓMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS. Adotado e aberto à assinatura, ratificação e adesão pela Assembleia Geral das Nações Unidas na sua Resolução n. 2200-A (XXI), de 16 de dezembro de 1966. Entrada em vigor: 3 de janeiro de 1976, em conformidade com o artigo 27. Disponível em: https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/ECidadania/educacao_para_a_Defesa_a_Seguranca_e_a_Paz/documentos/pacto_internacional_sobre_direitos_economicos_sociais_culturais.pdf. Acesso em: 23 nov. 2022.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA. Caso Kalanke. Autos do processo C-450/93. 1995. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=CELEX%3A61993CJ0450&qid=1643151038296. Acesso em: 20 out. 2023.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA. Caso Marschall. Autos do processo n. C-409/95. 1997. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legalcontent/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:61995CJ0409&qid=1643151754698&from=PT. Acesso em: 25 set. 2023.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA. Caso Badeck. Autos do processo n. C-158/97. 2000. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=CELEX%3A61997CJ0158&qid=1643217132789. Acesso em: 25 set. 2023.

Publicado

29-12-2023

Cómo citar

Fernandez Gonzalez Junior, Francisco. 2023. «El CNJ Y La Igualdad De género En La Magistratura: Formulando Una Propuesta Diversa a La Luz De Los Precedentes Europeos.». Revista Inclusiones 11 (1):256-82. https://doi.org/10.58210/inclu3521.

Número

Sección

Artículos