COTAS PARA NEGROS COMO POLÍTICA PÚBLICA DE AÇÃO AFIRMATIVA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA: ALGUMAS PROBLEMATIZAÇÕES

##plugins.themes.academic_pro.article.main##

Dra. Andrelize Schabo Ferreira de Assis
Dr. Kátia Sebastiana Carvalho dos Santos Farias

Resumen

Com vistas a diminuir as desigualdades sociais, educacionais e econômicas existentes no cenário brasileiro, a Lei Federal nº 12.711 de 29 de agosto 2012, conhecida como Lei de Cotas, consiste em uma política pública de ação afirmativa que garante a reserva de vagas para o ingresso de grupos socialmente marginalizados a universidades e institutos federais. No entanto, apesar dessa garantia de ingresso, a problemática surge quando percebe-se que pouco se sabe sobre a trajetória desses estudantes cotistas após o ingresso nas instituições escolares. Como a legislação trata prioritariamente do acesso, em alguns casos, as instituições escolares falham no acompanhamento desses estudantes durante sua trajetória acadêmica. Movidos por essa problemática, este estudo destaca a trajetória de cotistas raciais negros em uma instituição escolar localizada em Rondônia, região Norte do Brasil, que compõe a Amazônia Legal Brasileira. A pesquisa parte de números sobre o êxito específico dos cotistas raciais negros no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública, comparados aos dos demais estudantes desse mesmo curso no período de 2013 até 2016.1. Essas informações impulsionaram a reflexão e a discussão sobre as cotas raciais no contexto amazônico enquanto fator que objetiva promover a igualdade social. O texto mobiliza algumas vozes ecoadas em entrevistas realizadas com seis estudantes cotistas raciais e traz reflexões à luz dos teóricos ligados ao tema. Apesar do resultado positivo da pesquisa pela constatação de que os cotistas raciais negros alcançam mais êxito escolar do que os demais estudantes, aponta-se para a necessidade de que o trabalho com a diversidade seja aperfeiçoado e voltado para a educação antirracista, para assim contribuir com o êxito e bem-estar desses estudantes na instituição e para diminuir as desigualdades raciais presentes na sociedade brasileira.

##plugins.themes.academic_pro.article.details##