NEGROS NÃO NASCERAM PARA NADAR? ESTUDO SOBRE O ACESSO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À PRÁTICA COMPETITIVA DA NATAÇÃO NA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO/SP, BRASIL

##plugins.themes.academic_pro.article.main##

Mg. Mariana Alonso Marques
Dra. Camila de Moraes
Dr. Renato Francisco Rodrigues Marques

Resumen

As competições de natação comumente apresentam mais participantes brancos do que negros, fato este por vezes justificado na literatura por diferenças biológicas e raciais. Pressupostos socioeconômicos e socioculturais podem refutar tais justificativas. Objetivo: investigar a presença de nadadores negros nas equipes infanto-juvenis de Ribeirão Preto/SP, Brasil. Métodos: aplicação de questionários a pais e representantes legais de jovens nadadores sobre declaração de cor de pele e renda familiar. A análise dos dados deu-se por estatística descritiva e os testes estatísticos Qui-quadrado, Kruskall-Wallis e Intervalo de confiança. Resultados e conclusões: Foram encontrados mais nadadores brancos do que negros; Os poucos nadadores negros são favorecidos socioeconomicamente; Fatores socioculturais e socioeconômicos podem impedir que os atletas participem de treinos e competições de natação na infância, dificultando seu sucesso no alto rendimento.

##plugins.themes.academic_pro.article.details##

Cómo citar
Marques, Mariana, Camila Moraes, y Renato Rodrigues. 2020. «NEGROS NÃO NASCERAM PARA NADAR? ESTUDO SOBRE O ACESSO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À PRÁTICA COMPETITIVA DA NATAÇÃO NA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO/SP, BRASIL». Revista Inclusiones, agosto, 194-215. https://revistainclusiones.org/index.php/inclu/article/view/1547.