A CRISE INSTITUCIONAL DA UNASUL NA SEGUNDA DÉCADA DO SÉCULO XXI: DAS FISSURAS EM SUA GÊNESE AOS EFEITOS DA GUINADA CONSERVADORA

##plugins.themes.academic_pro.article.main##

Dr. David Morales
Mg. Leonardo de Sousa Godoy

Resumen

O presente artigo visa analisar a crise institucional da UNASUL evidenciada na segunda década do
século XXI. Busca-se evidenciar o momento político vivido pela América do Sul de reforço nacional
e de concertação política entre os países aqui posicionados durante a primeira década do século
XXI, que levam ao processo de criação da UNASUL. Para explicar a crise institucional da UNASUL,
são defendidas aqui duas hipóteses: a primeira localizada na gênese da organização, a partir da
animosidade dos Estados chileno, colombiano e peruano em aceitar a criação do mecanismo a priori.
A segunda hipótese encontra-se na segunda década do século XXI, com a vitória de governos de
direita em países que estavam sendo governados por presidentes progressistas, com um movimento
político conhecido como “guinada conservadora”. Os governos deste movimento privilegiam a
integração econômica e financeira para além dos países da região e por isso o projeto de integração
político e social da UNASUL torna-se insustentável. Aliado a uma fragilidade institucional constituída
na gênese da organização, os governos da “guinada conservadora” são aptos a agilmente
desmantelar a organização e congelar seu funcionamento, abrindo espaço para outros projetos de
integração.

##plugins.themes.academic_pro.article.details##